15 dias de mudança

11 de agosto de 2017


Todos os dias a gente quer mudar algo. Todos os dias a gente quer ser melhor. Todos os dias agente se arrepende. E muitas vezes a gente diz que vai mudar e não muda. Por que eu estou dizendo isso? Porque me encaixei no seleto grupo de procrastinadores que deixam tudo para amanhã e amargam o arrependimento de não ter começado nada antes.

Mas "segunda eu começo", digo sempre. "Estou cansada hoje", falo muitas vezes. Assim, adiei meus estudos, adiei hábitos saudáveis, adiei opções melhores para a minha vida. Abdiquei de uma série de soluções que teriam aparecido se eu não tivesse procrastinado. E por que eu estou contando isso agora? Porque resolvi começar hoje. Assim. Em plena sexta-feira.

Aprendi que quando se assume um compromisso publicamente, a gente tende a colocar mais empenho e fazer até o final. Achei justo dividir essas reflexões e me colocar nesse desafio. Serão 5 mudanças nada radicais, mas que exigem muito empenho para os próximos 15 dias. Não são coisas complexas e 15 dias pode até ser pouco tempo para uma série de mudanças que quero fazer, mas eu preciso iniciar os ajustes e acho melhor começar agora.

É sempre ruim quando a gente adia soluções que só nos beneficiam. É sempre ruim quando a gente opta por continuar a mercê dos dias, vivendo como se a vida de resumisse em aguardar as 18h do relógio para se jogar no sofá e só. O ócio sempre me incomodou e não é justo me tornar refém disso agora.

Nos próximos 15 dias, algumas coisas vão mudar. E mesmo que não sejam mudanças radicais, elas são importantes para mim. Acho que você deveria tentar! Que tal? Escolha 1, 2 ou 5 hábitos que você deseja colocar em prática nos próximos 15 dias e se joga. Mesmo que não seja uma grande mudança. O primeiro passo é tão importante quanto o trajeto que você vai fazer.

Agora vem cá e me conta aqui: o que você mudaria na sua vida nos próximos 15 dias?

Amar não tem que ser difícil

8 de agosto de 2017

Imagem: We Heart It
O amor não pode pesar. Não pode ser complicado, doloroso ou causar sofrimento. Precisa ser fácil. E eu sei que você sabe disso. Eu também sei, confesso. Vira e mexe esqueço, assumo. Mas é que para amar a gente não tem que se esforçar demais. É simples assim.

Amar o outro não tem que precisar de choro. Brigas. Sermões. Ceder sempre. Precisa ser fácil. Precisa ser de graça. Precisa ser livre de todas as amarras que a gente coloca no meio do caminho. Transbordar amor, amar alguém depende de quão leve a gente consegue fazer ser esse processo de doação. E isso não tem que ser difícil.

A maturidade me ensinou que amor não precisa nem deixar frio na barriga de ansiedade. Isso é coisa de paixão. Amor é segurança. Confiança. Tranquilidade. E se alguma dessas palavras não fazem parte do seu amor, então não tem mesmo como ser fácil. Para amar não precisa de muito. 

Um punhado de sentimentos bons, a certeza de um amor tranquilo, uma dose de dedicação, mais um tanto de amor próprio e amar será uma das poucas coisas sem dificuldades da sua vida. E, moça, se dói, você precisa rever isso. Amar não tem que ser difícil.