Os míseros restos de uma vida

21 de julho de 2012



E você não veio essa noite. Nem nessa e nem em todas as outras. Não sei mais identificar onde a nossa história começou a desandar e a gente nem sequer voltou tudo para o lugar, meu bem. Hoje você não veio e temo que não virá nas próximas também. Onde foi parar aquela sintonia de sempre? Cadê aquele beijo matinal que você prometeu que seria para o resto das nossas vidas?

Não entendo essa vontade louca de juntar o resto das suas lembranças, colocá-la em uma caixa e mandá-las de volta ao remetente. Continuar a vida sem seus rastros me parece mais agradável do que (sobre)viver com os restos fantasmagóricos da vida que a gente viveu. Restos estes que me pergunto se você ainda guarda como eu os guardo. Se ainda lembra como eu me lembro.

Ainda tem uma blusa guardada ali. Inundando meu quarto de sonhos e espalhando esse seu cheiro de perfume barato no resto das minhas roupas. Queria me desfazer da peça assim como nos desfizemos de nós dois, mas ela é só uma peça, afinal, e eu nem durmo mais com ela. Te eliminei do corpo antes de te eliminar da mente, mas o tolo do coração insistiu em não te esquecer. E aquela blusa jamais voltará a ser sua enquanto existir a mísera angústia da falta aqui. Falta porque você não volta mais, e isso nem é um problema para você! É problema para mim!

E quer mesmo saber? Então leva! Leva de volta a caixa com todas as suas lembranças, com a sua rotina incorporada a minha vida, com parte da sua vida. Me deixe somente com a vontade de transformar tudo isso em saudade. Saudade de algo que um dia nem saberei mais do que se trata, mas terei somente a certeza que existiu.

2 comentários:

  1. Esse sentimento é...bem, indescritível... dói mto. já passei por uma situação semelhante. texto intenso! adorei! tem uma musica da Hilary Duff que me lembrou seu texto: yesterday! beijinhoo

    ResponderExcluir
  2. Triste, mas tããão lindo... Seu blog é encantador. As imagens, o layout, tudo.

    ResponderExcluir

Obrigada!