Malditas borboletas!

26 de setembro de 2011



Uma leve embriaguez causada pelo sono. Um enorme vazio causado pela falta delas. Desde quando resolveram sair por aí, ela ficou assim, com um buraco localizado próximo ao coração e que lhe castigava a alma toda vez que pensava porque havia deixado-as ir. O “elas” em questão? As borboletas. Essas que voam de estômago em estômago procurando vítimas, deixando calafrios e borrando maquiagens. Essas que vem, mas que logo vão porque simplesmente já cumpriram seu papel.

Papel esse que ela nem entendia qual. Se dependesse somente dela, as manteria ali, guardadas em vidros só pra privar outras pessoas do sofrimento pós-borboletas. Porque o amor havia acabado e elas haviam deixado boa parte do que nunca sonhara viver. Ela não sentia falta dele ou delas. Ela sentia falta do que era antes de tudo isso, sentia raiva dos planos e morria lentamente toda vez que não tinha o abraço que ela tanto esperava.

Aquelas míseras borboletas! Quanta raiva partilhava por pensar que elas também haviam abandonado-a. Saber que seguiria com um vácuo e pequenos outros animais (que jamais lhe trariam tanta felicidade) causava-lhe repulsa e isso ela odiava admitir. Para tanto, ela esperava pacientemente o tempo passar. Ela sabia que novas sensações surgiriam e torcia com todas as forças para o retorno das tão temidas borboletas que insistiam contrariamente freqüentar estômagos alheios. 

5 comentários:

  1. Seus textos são lindos e realmente profundos. Me encanto quando leio suas palavras.

    ResponderExcluir
  2. Essas borboletas ... ruim com elas, pior sem elas! Me sinto incompleta quando não estou amando ninguém. Achei que era algum problema comigo.

    Textos, crônicas, artigos, mini-histórias, poemas e poesias e ainda tem uma série chamada "Porra,Manuela!" que já está na Parte V. Te espero lá no blog hein? E quando entrar lá não esquece de curtir na caixinha do facebook!
    http://biacentrismo.blogspot.com
    @biacentrismo

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. A ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS (Machado-MG) comunica que estão abertas as inscrições para o VIII Concurso Plínio Motta de Poesias, do ano 2011.
    Inscrições até 21 de outubro de 2011. Entrem em contato para adquirir o Regulamento:
    a/c Carlos Roberto machadocultural@gmail.com
    ===================================
    ESTE CONCURSO ESTÁ ABERTO A TODOS!

    O VALOR DE 2 REAIS CORRESPONDE À INSCRIÇÃO PODE SER COLOCADO DENTRO DO ENVELOPE CONTENDO AS 6 CÓPIAS DO POEMA.

    ABRAÇOS

    CARLOS

    ResponderExcluir
  4. Oii eu encontrei o link do seu blog no orkut,parabéns pela criatividade com o texto e com as palavras clara,já estou seguindo,quando puder segue o meu também:

    http://www.quatroestacoesdabeleza.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Amei o texto, parabéns, você escreve muito bem!

    ResponderExcluir

Obrigada!