Te encontrei

23 de julho de 2011


Hoje eu acordei pensando em você, assim como tenho feito nesses últimos meses. Hoje eu sei que posso te ligar a qualquer hora e sussurrar que te gosto tanto, assim como temos feito. Hoje eu sei que tenho alguém e hoje eu sei que entrego todo esse sentimento na mesma medida e até com mais intensidade, sem pedir nada em troca.

Temos defeitos, admito. E anulá-los é como hipocritamente dizer que não me importo. Mas perceber que tento cada vez mais melhorá-los e te provar que juntos podemos fazer a diferença não tem valor melhor pra mim.
Te achei e prometo não te perder de vista.

Conto de fadas às avessas

18 de julho de 2011


Nossa história tinha tudo para estrelar o próximo conto de fadas. Éramos perfeitos um para o outro e bastava que estivéssemos juntos, mas você, como aquele péssimo ator que tenta roubar a cena, de príncipe encantado virou o bandido que rouba o coração da princesa e atrapalha todo resto da história. O coração em questão? O meu. E você atrapalhou a história porque, ao contrário do que se pensava, você roubou meu coração e em troca, não me deu o seu. Diferentemente dos contos de fadas conhecidos e do que achei que fôssemos viver, ninguém nunca foi atrás da peça roubada, você nunca voltou arrependido e, conseqüentemente, nunca tivemos nosso “felizes para sempre”.

Essa história sempre me pareceu aquele conto de fadas distorcido e eu não fui somente a vítima. Nunca entendi o porquê de você ter ido embora, sinceramente. Então, passei a concentrar meus dias naquele vácuo que você havia deixado dentro de mim. Pouco a pouco fui aprendendo a caminhar sem suas pernas para me apoiar, o que de fato, foi meu maior erro. Sem querer, me vi dependente de você e aquela história de amor hollywoodiana foi por água abaixo.

Como uma princesa que tenta se recompor, eu refiz meus passos e a minha vida. Juntei o que você havia deixado de mim e joguei fora tudo que restava de você aqui. Passei a odiar seu nome e tudo que falavam sobre você. O mundo conspirava ao nosso favor, mas eu simplesmente ignorei qualquer pista que um dia isso fosse dar certo. Como pude ser tão ingênua?

E, como boa princesa que se preze, recuperei o reinado e conheci outros príncipes. Não que esses me fizeram voar como você havia feito, mas foram o suficiente para me fazer ver que no fundo quem havia saído no prejuízo foi você. Ah, e sabe aquele coração que você roubou? Pois bem, existe outro no lugar agora e esse, pode ter certeza, não tem nem um pedaçinho seu.

A última tentativa

14 de julho de 2011

Dias desses, eu tinha uma lágrima pronta no olho. Dessas que vem bem no canto e que você nem sabe o motivo pelo qual chora. Dia desses, você me ligou dizendo que me amava, mas que tinha que ir. E eu não gritei, não chorei e nem sequer sorri. Mantive-me apática por todos os dias que eu esperava indiscutivelmente por uma ligação sua. E quando eu descobri que não ligaria, eu também descobri o porquê que todos os dias durante a noite, naquele mesmo horário que você costumava me ligar, havia um choro esperando para sair.


Então, eu desviei o olhar e juntei todos os seus presentes numa caixinha velha, dessas que a gente logo vai jogar fora. Veio uma dor tão forte, que eu refiz todos os nossos momentos mentalmente e quis te tomar no colo e sussurrar outro eu te amo, como naquele dia. Como em todos aqueles dias.

Perdoe-me por isso, mas você precisava ir. Livrei-me de toda parte de você que ainda havia dentro de mim e estou indo tentar viver minha vida. É só uma tentativa qualquer(quem sabe a última, não é?), assim como aguardo a sua tentativa de retorno. Enquanto isso não acontece, sinta meus braços quentes te envolvendo e um beijo simples para alegrar seus dias.
De alguém que se odeia por te amar, Cady

Você já parou para se olhar no espelho hoje?

12 de julho de 2011

Se ainda não fez isso, te aconselho a ir correndo para lá. Olhe atentamente para o que vê e se prenda a detalhes curtos, como uma linha de expressão, o contorno que sua boca faz quando você sorri, o jeito que levanta os olhos quando tenta passar o batom ou até mesmo aquela manchinha na bochecha que você sempre julgou, mas que na verdade é um charme.


Não é sempre que a gente se dá conta, mas às vezes a gente tem que entender que devemos olhar para o espelho e ver que o que está ali é o que você tem de mais importante. Perceber que não importa se o reflexo está embaçado ou se você não gosta do que vê. O que importa na verdade é que aquela pessoa ali no espelho é a pessoa mais importante que existe e que ela, somente ela, pode te tornar a mais feliz do mundo.

Vá e faça algumas caretas. Descubra novas formas de sorrir, de olhar, de inclinar o rosto. Treine palavras, cante. Dance loucamente na frente do espelho e perceba como é linda a arte de ser simplesmente você. Aprenda a gostar do que está refletido e pouco a pouco você vai notar que muito mais do que sua pele e seus detalhes físicos, o que está ali é a sua alma e que o resultado de quão boa ela é, é perceptível nos seus olhos e no seu sorriso.

Orgulhe-se do que é e do que você reflete para o mundo. Sinta-se plenamente satisfeita consigo mesma sem se preocupar com o resto. O resto, como eu sempre costumo dizer, é resto e consequentemente, não é nada importante.

Dança comigo?

7 de julho de 2011


Eu me perdi e saí em busca de mim mesma. Encontrei-me em você e percebi que cada vez que me acho mais em ti, te encontro cada vez mais em mim. Colocamos a solidão (mais necessariamente, a nossa) para dançar e essas, sob coincidência e consentimento do destino, foram embora juntas. Inevitavelmente, permanecemos aqui, descobrindo um ao outro.

De braços dados, decidimos enfrentar o que fosse necessário. Você me fez buscar-te e sem perceber, veio ao meu encontro. Hoje, arriscamos alguns passos juntos e agora almejamos a eterna dança em busca da cumplicidade da alma. Agora venha e me dê à mão. Dança comigo só mais essa noite. Vamos fazê-la durar eternamente, se preciso.