Insano

30 de maio de 2011


É insana essa sua vontade do nada. Do quase. Do talvez. É insana essa sua vontade do extremo e de todo esse contentamento fácil e inútil. E eu não entendo. Você saiu por aquela porta deixando uma saudade absurda e sem ao menos olhar para trás. Você nem viu, mas eu chorei aquela noite como uma criança que, sem noção nenhuma do que é viver, chora por uma coisa tão pequena, mas tão importante. Você havia conseguido o prêmio máximo que alguém poderia ter de mim: eu te dei minhas lágrimas numa taça de puro orgulho e tristeza, e você as bebeu com tanto prazer que não soube sequer dizer tchau quando decidiu juntar suas coisas e abandonar a nossa vida.

E a minha? Diz-me o que eu faço agora. Você levou quase meu inteiro e eu me acostumei com esse sentimento vazio que me prende toda vez que me lembro do que você foi pra mim. Eu sento no sofá todos os dias com sua foto na mão e a lágrima no olho. E pego aquele seu suéter que você deixou aqui em casa e o visto na esperança de nunca deixar sua lembrança morrer, porque assim, eu também estaria morta. E eu sigo fazendo o sentido figurado de quase tudo que eu tento tocar em frente.

Você não voltou para me dar notícias. Esperei-te por um ou dois dias e você não voltou. Passei a ocupar meus dias pensando sobre tudo que eu possa ter representado pra ti e tudo que você fez por mim enquanto eu tentava desesperadamente te mostrar o que é o amar. E você, no ato mais simples que alguém pode cometer, virou as costas e se foi. Se foi pra nunca mais.É insano demais pensar em como tudo pode ter realmente decorrido. (reparou como gosto de usar a palavra ‘insano’? É só pra frisar que nosso amor também havia sido assim. Havia – verbo no passado. Eu estou bem e acho que aquele travesseiro ainda tem seu cheiro.)

Outro dia comprei um bolo de prestígio e guardei na geladeira para você vir buscar. E você não veio. E eu segui. Continuei vivendo a mercê de tudo isso que você me proporcionou e agora eu estou aqui sentada (naquela mesma mesa que diversas vezes te vi parado lendo algum livro) escrevendo uma carta na esperança de que esse papel antigo, mas com tanto sentimento te repasse tudo que eu não consegui te oferecer em anos. E mais uma vez eu digo: eu estou bem.

De alguém que trocaria todo o passado por só mais um pedaço de futuro ao teu lado,
Cady

4 comentários:

  1. Que texto lindo e triste..algumas partes me fizeram lembrar de meu pai!! Bom restinho de semana p vc Dreisse =)

    ResponderExcluir
  2. Insano seria não gostar desse texto.

    ResponderExcluir
  3. Filhota de minha existencia.
    Muito lindo o seu texto.
    Parabéns.

    ResponderExcluir

Obrigada!