Cristal quebrado

30 de setembro de 2010


Oi,

Como está? Eu não vou bem não. E acho que você sabe o porquê.
Há dias venho lembrando tudo o que nós vivemos e principalmente o que fez tudo isso chegar ao fim. Nesse momento eu queria saber aonde você está e o que está fazendo com o pouco de mim que levou contigo. Tenho certeza que você deixou jogado em um canto de sua cabeça, aquele canto que você nunca olha o que tem lá e que já me tirou do coração.

Só que você esqueceu-se de um detalhe: deixou pra trás um coração. E este se encontra jogado as traças e completamente partido. Você tinha nas mãos o mais importantes dos cristais que alguém pode receber, mas simplesmente preferiu atirá-lo ao chão. Com a queda, ele se despedaçou e agora eu não sei como juntar os cacos de volta. O cristal perdeu o brilho e aparentemente ele não tem mais conserto.
Não posso descrever, e nem se quer sou capaz, mas se soubesse a profundidade com que você me atingiu negativamente, você se surpreenderia e se assustaria com tamanha crueldade.

E agora? Meu coração está aqui, atirado em minhas mãos, aos pedaços e eu estou aos prantos sem saber o que fazer. Minha reação tem sido o choro e eu tenho perdido noites de sono por isso. Você levou a melhor parte que existia de mim: o meu amor e a minha auto-estima. E em troca, deixou o que restou de um coração que dói, e muito.

Como pode alguém ser tão rude a esse ponto? Volta, por favor. Devolve tudo que levou e cole meu coração. Deixe-o exatamente como estava. Não estou pedindo VOCÊ de volta. Estou me pedindo de volta: minha calma, meus sorrisos, minhas palavras doces, meus sonhos, todo meu amor e minha felicidade.
Sei que isso tudo é capaz de me animar e me fazer voltar a viver. Sei que não é pedir demais, eu só quero o meu coração. Inteiro e firme como todo cristal. Concerte-o.

De alguém com o coração quebrado,
Até breve. 

Pauta para o projeto Bloínques. (http://bloinques.blogspot.com)

Just Smile

29 de setembro de 2010


Simplesmente sorria. Mesmo que tudo em volta tente lhe fazer querer o contrário.

Myself

28 de setembro de 2010


Não sou tão forte quanto aparento ser. Meu sorriso não é sempre o mais sincero e ainda tenho medo da escuridão e de animais asquerosos. Chata e irritante. Compreensiva e sensível. Ainda choro atoa. Quando ninguém, vê a moça de 17 anos se torna uma garota de 5 que precisa de colo.

Eu não sou tão forte assim. Ainda levo comigo milhares de defeitos que seguram toda essa estrutura. Sem eles, não sou nem metade do que realmente sou, nem do que aparento ser. Não gosto do fato das pessoas esperarem muito de mim. A chance de se decepcionarem é enorme. Não gosto de despedidas e sinto muita falta de pessoas que já se foram.

Não sou dona de toda essa paciência. Isso se chama equilíbrio, porque a minha paciência mesmo já se foi há muito tempo. Não tolero mentiras, nem falsas promessas.

Não gosto que esperem de mim, mas espero demais das pessoas. Cobro-me constantemente e me culpo por erros passados. Não tenho paciência pra “fazer social” e nem sei forçar simpatia.

Ao mesmo tempo eufórica e depressiva. Mudo de humor constantemente. Admiro o senso de humor irônico e não sei fazer boas piadas. Odeio que me chamem de séria, apesar de começar a achar que me tornei assim.

E sem essa de quem se define se limita. Todos nós sabemos o mínimo de definição sobre nós mesmo, quem não se define não se conhece. E eu me conheço muito bem.

Não minta, por favor

11 de setembro de 2010


E você distorce todas as suas palavras querendo me fazer acreditar em suas mentiras exageradas. E você não faz idéia do quanto eu me seguro para não acreditar. Eu realmente queria que tudo fosse verdade, que cada sentimento que você me diz fosse verdade, mas pudera você ser sincero, pelo menos comigo. Custa muito?

Não precisa mentir, fale a verdade, eu vou entender. As coisas já mudaram e eu sou capaz de esquecer todas as verdades que descobri com o tempo e me afastar de você. Por que insiste em se manter perto, mentindo e tentando me fazer creer em algo oposto do que seus olhos me dizem?

O mínimo de sensibilidade no coração é capaz de perceber que o que sua boca me diz não é o que seus olhos tentam me dizer. Eu sei que não posso, mas eu quero acreditar que desta vez você esteja falando a verdade. Mas, eu ainda sei que não está. Que mente por simples prazer de torturar ou mera incapacidade de dizer não.

Aquele abraço de tempos atrás me fez falta por meses e agora você volta com frases prontas, como se quisesse me fazer esquecer tudo o que eu sei e me fazer viver de mentiras e ilusões. Não, simplesmente não dá.

Vá, me esqueça e não me conte suas mentiras. Pare por aí, antes que eu comece a acreditar no que sua boca me diz, em vez de ler seus olhos. Sério. Eu te entendo, mas simplesmente não minta. Por favor.