Baseado em minha própria experiência errante

21 de maio de 2010


Não sei porque, mas sempre fui de acreditar que a probabilidade de me arrepender por coisas que não fiz é muito maior que a probabilidade de me arrepender por coisas que eu fiz, daqui a alguns anos. E temo eu que seja isso que vai acontecer: eu vou me arrepender muito mais das coisas que deixei passar, do que pelas coisas que fiz sem pensar.

É. É verdade. Quem não arrisca não vive. A vida se torna uma eterna aventura a partir do momento que não temos medo de ousar em nossas atitudes e tomar a frente da situação.

As coisas mudam. Por isso, não faça algo que a possa te deixar por baixo, pense em suas atitudes, mas arrisque-se. Ouse. E Viva. Viva hoje como se não existisse o amanhã. Seja responsável e não seja leviano. Perdoe o próximo e sorria mais. Um sorriso é capaz de aliviar o dia de muitas pessoas. Não minta. E não se preocupe com o sofrimento, ele faz parte da nossa vida e é uma das coisas mais naturais do destino. Lembre-se sempre: o destino permite os acontecimentos, mas só você é capaz de escrever a sua história. Não deixe tudo por conta dele e do tempo, ambos, quando juntos... são capazes de pregar peças no qual você gostaria de estar a frente da situação.

Não se sinta vítima da vida. Se sinta autora da sua. Não se preocupe em parecer bonita demais para os outros ou interessante demais para alguns. Preocupe-se em estar bem com você. As pessoas têm diversas opiniões e você nunca vai estar boa o suficiente para algumas pessoas. Deixe que elas se aproximem e não se feche em mundo e jogue a chave fora. Abra as janelas e deixe a porta encostada para que alguém te encontre e resolva lhe visitar. Não espere pela pessoa certa e não corra atrás de quem supostamente possa ser a pessoa certa. Essas pessoas o destino coloca em sua mão, com pouco esforço de sua parte. Não se preocupe tanto com o futuro. O que tem que ser será, mas você constrói a sua história, só você. Mas, não seja “afobada” demais. Dê tempo ao tempo. Tudo se ajeita, sempre se ajeitou. Por que agora seria diferente? Não será. Aliás, não tenha medo de ser diferente e original. Querer ser diferente se tornou comum, mas originalidade sempre foi e sempre será a chave do sucesso.

Mais uma vez lhe digo: Não tenha medo de arriscar. A vida é dos que arriscam, que tomam a iniciativa. Mas pense, pensar nunca foi demais e nunca será demais. Não deixe que a preguiça tome conta de você, deixe que ela seja somente seu refúgio em dias tristes. Se estiver triste, chore. Sem medo de nada ou ninguém. Chorar se tornou uma escapatória e é extremamente necessário. Depois disso, seque as lágrimas e sorria. Coloque sua melhor roupa e saia. Saia pra vê o quão felizes podemos ser apesar de tudo. 

Lembre-se que para ser feliz é necessário o mínimo de esforço e o máximo de vontade. Ser feliz não dói e a vida está aí, pra quem é corajoso e sabe ousar. Ouse. Arrisque-se. E dance fora do ritmo.

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigada!